terça-feira, 14 de novembro de 2017

Desculpas

desculpas(Imagem: Reprodução)

Parece simples, mas não é. Para alguns, então, é o maior sacrifício. Para poucos, nem tanto. O fato é que reconhecer um erro e pedir desculpas não é para todos. Só para os fortes, para os que têm o caráter bem formado.

Eu sei que é difícil, mas um sincero pedido de desculpas é capaz de reatar laços, reaproximar pessoas, desfazer mal entendidos. É extremamente necessário. Não tem como passar por cima… Mas é preciso que seja verdadeiramente desejado e feito com pureza de sentimentos.

Eu sei desculpar-me com mais facilidade do que dar o meu perdão. Traço de personalidade, talvez. Na verdade, sou capaz de passar por cima, perdoar, mas não consigo esquecer… Como se ficasse registrado, que dali eu pudesse esperar qualquer coisa... E, assim, eu fico com o pé atrás! Inevitável. Confiança, quando a gente perde, é mesmo difícil recuperar.

Fácil ou difícil, a gente tem que consertar o malfeito. Errou, reconhecer o erro, pedir desculpas e não repetir o que fez de errado. Aprender com o erro é uma atitude sábia. Todos ganham, principalmente nós mesmos.

O que está pendente incomoda e funciona como um obstáculo que precisa ser superado para o nosso crescimento pessoal. Avaliar a situação para tomada da atitude acertada é sinal de amadurecimento.

Desculpar-se não é humilhar-se. Ao contrário, é engrandecer-se como ser humano.

domingo, 12 de novembro de 2017

Já é tempo de Natal… Papai Noel chegou ao Shopping Praia da Costa!

PN3

Têm coisas que não mudam em mim, nem com o passar dos anos... A emoção de participar da chegada do Papai Noel é uma delas.

Ele pode vir ao shopping, ao supermercado da esquina, à casa do vizinho da gente, mas Papai Noel é muito mais do que um velhinho vestido com fantasia barata. Ele personifica um dos símbolos mais significativos e importantes para mim e para muita gente: o Espírito do Natal.

Como cristã, conheço o verdadeiro sentido da data, não se enganem: Cristo Salvador nascido em Belém. Mas Papai Noel também tem o seu mérito.

Diz a lenda que:

                      "o personagem foi inspirado em São Nicolau, arcebispo de Mira na Turquia, no século IV. Nicolau costumava ajudar, anonimamente, quem estivesse em dificuldades financeiras. Colocava o saco com moedas de ouro a ser ofertado na chaminé das casas. Foi declarado santo depois que muitos milagres lhe foram atribuídos. Sua transformação em símbolo natalino aconteceu na Alemanha e daí correu o mundo inteiro". (pt.wikipedia.org)

Eu acredito sinceramente que no Natal há espaço para todos - até para quem não acredita, não tem fé! O Espírito Natalino é alegre, bondoso, fraterno e enche o nosso coração com esses bons sentimentos. E eles contagiam. Papai Noel personifica tudo isso. Como não se emocionar com sua chegada!?

Eu ousaria dizer que o período natalino é como um oásis nessa correria louca que é a vida da gente. Tempo de olhar para o outro, de estender a mão, de praticar uma ação concreta de solidariedade... Tempo de amar.

Pois Papai Noel chegou hoje por aqui, no Shopping Praia da Costa, em Vila Velha, e eu fiquei bem pertinho dele. Acenei com a mão e fiz força para não chorar. Com ele, desfilaram muitas doces lembranças da minha infância acompanhadas, de perto, pela saudade...

Êta tempo bom!

É muito cedo para lhe desejar Feliz Natal?

PN4

PN5

PN6

PN1

sexta-feira, 10 de novembro de 2017

Acidentes de percurso


A gente tem mesmo que aproveitar a vida... De repente vai que acontece alguma coisa que muda tudo daí pra frente... Para morrer basta estar vivo. 

Segunda-feira levei um escorregão subindo uma escada. Na tentativa de não deixar cair o que levava nas mãos, acabei batendo a ponta do dedo médio, com bastante força, no degrau. Resultado: derrubei tudo pelo chão e quebrei o tendão da articulação da pontinha do dedo. C I R U R G I A.

O especialista já me advertiu que, apesar da cirurgia, o dedo não ficará como antes... Isso deixa a gente chateada. Tudo bem que é a ponta do dedo médio, mas ela também faz muita falta. Este dedo também tem lá suas utilidades!

O que quero dizer é que em segundos tudo mudou. Eu estava bem por completo. No momento seguinte, tornei-me uma deficiente física em potencial. E ainda agradecendo a Deus porque dos males o menor, afinal eu poderia ter morrido! Escadas são um perigo!

Estou bastante chateada, confesso. Eu estava trabalhando. Exatamente cumprindo o que manda a minha função. Mas se pudesse voltar no tempo, naqueles preciosos minutos, com certeza teria feito diferente. Corpo mole, talvez. Afinal foi bem perto do fim do expediente...

Mas não choremos o leite derramado. Bola pra frente. Que venha a cirurgia. Que fique a lição de não desperdiçarmos nosso tempo com bobagens, caraminholas, mesquinharias... A vida é um sopro.

E que a gente suba e desça as escadas segurando pelo corrimão. De preferência, sem carregar nada que ocupe nossas mãos... 

Porque alguns acidentes podem ser evitados.

                                                                                                          (Imagem: Reprodução)
Quem dera...

quinta-feira, 9 de novembro de 2017

Estresse urbano

                                                                                                  (Créditos na imagem)
Fala a verdade, não é assim mesmo que acontece?

Estresse urbano... Coisa da modernidade.

E a qualidade de vida fica tão fragilizada!

terça-feira, 7 de novembro de 2017

Nossos direitos

                                                                                                          (Imagem: Reprodução)
A gente tem direito de ser feliz e um monte de outros direitos que nem sabe que tem, mas que fazem parte da nossa dignidade, da nossa humanidade.

Temos o direito fundamental à vida, mas muitos sucumbem pelas mãos de seus semelhantes, por motivos banais.

Temos direito à liberdade, mas muitos se deixam dominar por motivos econômicos, sociais, hegemônicos.

Temos direito à moradia digna, mas muitos não tem teto, nem lar. 

Temos direito a um tratamento igualitário, mas questões étnicas-raciais, sócio-religiosas, históricas e políticas, ainda, reproduzem preconceitos e conceitos equivocados gerando desigualdades.

E essa história que o direito da gente acaba quando começa o dos outros é balela! Porque nossos direitos não acabam nunca! O que precisamos é aprender a respeitarmos os direitos dos outros concomitantemente ao que usufruirmos os nossos. 

Direito e respeito são bons e todo mundo gosta. Porém pena que nem todos podem se beneficiar deles...

Vamos à luta! Por nenhum direito a menos!

                                             (Imagem: Sistema Nacional de Direitos Humanos) 

quinta-feira, 2 de novembro de 2017

Natureza imperfeita

                                                                                                        (Imagem: Reprodução)
A natureza não é perfeita. Está errada essa coisa que tem que morrer no final...

Não vou nunca me conformar com esse processo pelo qual todo ser vivo tem que, necessariamente, passar desde o seu nascimento até chegar no seu término obrigatório: morte. Está errado. Deveríamos viver para sempre!

Não me perguntem como caberia tanta gente habitando no planeta, nem como haveria comida e água para todos, emprego, habitação... Esqueçam estas perguntas práticas. Não quero ter que pensar sobre elas. Preferia acreditar que a gente daria um jeito. Meu foco seria apenas ter quem amamos do nosso lado. Para sempre! 

Perder os pais, filhos, avós, entes queridos, amigos queridos é dor que destrói o coração da gente! Corrói a alma. 

Ver inocentes partirem vítimas de balas perdidas (ou achadas), de assassinos violentos, psicopatas, brigas de trânsito, acidentes, ou simplesmente por estarem doentes... Sou contra todas as formas de morte. Para mim, nenhuma é justa. Muito menos, desejada.

Queria vida eterna para todos, aqui mesmo, nesse planeta. Não nos faltaria tempo para arrumar as coisas. Daria certo. 

Êta, Natureza imperfeita! Fico por aqui com o peito cheio de saudades...

Luiz Carlos, Dora, Manoel, Stelitta, Melchiades, Gilda, Sérgio, Conchita, Maria Emília, Milton, Wilson, Laura, Adélia, Adelaide, Luiz Antônio, Rute, Roberto, Vânia, Ubirajara...
                                                                         (Créditos na imagem)

quarta-feira, 1 de novembro de 2017

Mais uma conversa sobre o amor

                                                                                                              (Foto: Mari Medeiros)
Quem falou que amar seria fácil? Certamente não fui eu. Um relacionamento, por mais afinado que seja, também tem lá os seus percalços. Somos imperfeitos, logo...

A gente se apaixona e passa a viver dias encantadores. É pego rindo sozinho. Lembra de detalhes insignificantes como se fossem lembranças históricas. Tudo passa a ter grande valor se tiver relação com o ser amado. São os primeiros momentos da paixão. Maravilhosos!

Não vemos os defeitos. Ou se vemos, por serem gritantes, acreditamos que podemos mudá-los. Por amor! Com o nosso amor! Pelo nosso amor! E a gente encara e passa por cima. Aceita. Acolhe. E ama mais e mais... Submete-se.

Se o sentimento é correspondido, então, é o céu. O paraíso na terra! Tudo fica mais colorido, alegre, vibrante. Como o amor é poderoso! Capaz de transformar, inspirar, significar a vida.

Mas o tempo passa. As coisas mudam, inclusive a forma de amar. O sentimento enraíza-se ou esvai-se... 

Os defeitos não se corrigiram, continuam e passam a incomodar mais... E a submissão começa a sufocar! Surgem atritos, conflitos, desânimo. Aquelas cores desbotam. E as lembranças viram saudade. É hora de partir.

Este não é o destino de todo amor, apenas daqueles que não são cuidados. Portanto, ligue o alerta! Avalie-se! O que você tem feito para preservar o seu relacionamento e mantê-lo forte e saudável?

Gostosos beijos na boca e um bom sexo não são suficientes para um relacionamento durável e fascinante. É preciso dedicação numa conquista diária do mesmo ser amado. Um bom relacionamento é fruto de uma construção onde os dois fazem por onde.

E vale a pena.

terça-feira, 31 de outubro de 2017

Feitiço de Halloween

                                                       (Imagem: Reprodução)

Ando necessitando dessa magia... Mas quem não?

Atualmente, por aqui no Brasil, só fazendo mágica mesmo!

domingo, 29 de outubro de 2017

Confesso

                                                                          (Imagem: E por falar em amor/Facebook)

Quem nunca?...

sexta-feira, 27 de outubro de 2017

Amizades verdadeiras


Amizade para mim tem que ser pau pra toda obra. Tem que pegar junto. Se comprometer. 

Nem precisa estar sempre por perto, mas, num primeiro chamado, tem que comparecer, dizer para que veio, pois um amigo não espera para ver o que acontece. É testemunha ocular. Participante.

Amigos não arranjam desculpas. Arranjam soluções. Dão jeito para aquelas coisas que a gente não conseguiria sozinho. É parceria. 

Amigos estão, participam, compartilham, fazem acontecer. Mas também orientam, dizem não, brigam com a gente, quando é preciso. 

Amizades não são mar de rosas... Há possibilidade de vendavais e tempestades. Turbulência. Porque amizades são vivas! Deve haver respeito, mas também confronto. Para salvar um amigo, muitas vezes, é preciso primeiro nocauteá-lo! Algumas verdades necessitam ser ditas... Melhor que seja por um amigo que nos quer bem.

Um amigo ri junto. Chora junto. Xinga. Debocha. Tem cumplicidade no olhar. Sabe o que estamos pensando... Têm casos para relembrar e sentir saudades... 

Um amigo divide com a gente. Duplica com a gente. É um pouco da gente. E ele é um pouco de nós. Parceria perfeita. Comunhão de afinidade e fidelidade.

Pois é assim que eu entendo amizades. Com poucas palavras e gestos concretos. Bem simples.


(Helen Valladão, minha amiga, este post é pra você. Em retribuição ao seu grande gesto.)